Postado por
Saúde e cilcismo

Por fim, chegamos ao final de época. Aqui muitos ciclistas optam por deixar de pedalar totalmente e gozar umas “férias da bicicleta”. Há muitas opções.

Eu pessoalmente gosto de incentivar os ciclistas a andarem de bicicleta por gosto. Não é treinar, é simplesmente andar de bike e desfrutar. Esta é uma fase em que praticamente só se treina aos finais de semana, ou então durante a semana mas só com companhia de alguém , porque fartos de ir sozinhos já estamos nós durante a temporada.

Por isso, as reduções de volume são muito acentuadas, diminuímos novamente a frequência de treinos por semana, e fazemos treinos mais curtos e com menor intensidade. Se quiserem tirar uma ou duas semanas de férias totalmente sem bike, também não me oponho, e até recomendo.

Normalmente o defeso deve ir entre 3 a 8 semanas sensivelmente, dependendo sempre de quando vamos iniciar a temporada seguinte.

Eis um exemplo abaixo de como se traduz normalmente este período em termos de volume de treino:

Dica BÓNUS: Aproveitar oportunidades

Decidi deixar este assunto para o final, pois parece-me muito pertinente, e certamente muitos de vocês já se questionaram sobre isso.

Uma das coisas que me acontecia muitas vezes era não estar a contar com as alterações de disponibilidade de tempo devido a férias. Estas alterações no plano de treinos são muito frequentes, e muitas vezes não são tidas em conta quando fazemos aquele prévio planeamento da temporada.

Eu disse que por norma os microciclos de treino devem ter um padrão conforme os períodos onde estamos inseridos. No entanto existem oportunidades de antecipar um pouco algumas coisas em alguns momentos.

Imaginemos a seguinte situação. Eu trabalho das 9 as 18h. Só chego a casa do trabalho por volta das 19h já depois de ter ido buscar as crianças à escola. Não sobra muito tempo para treinar, e isso obriga-me a treinar nos rolos ou então a fazer treinos de curta duração outdoor.

Mas de repente apanho uma semana ou duas de férias, ou surge qualquer outra situação que me permite “esticar” um pouco mais a aceleração da performance porque tenho mais tempo disponível? É óbvio que temos aqui uma oportunidade de aumentar o volume de treino semanal e acelerar um pouco as coisas.

Eu dei este exemplo das férias porque é mais frequente do que pensamos. Mas quem diz férias diz outra coisa qualquer. De repente durante uma semana ou durante um mês vamos ter um furo e mais tempo livre. Caso sejamos ciclistas com muitas limitações de tempo, temos aqui uma excelente oportunidade de evoluir.

Então vai daí e vocês perguntam:
Mas Tiago, e depois quando terminar as férias? Bom, nesse caso voltamos ao que estava planeado, e talvez até possamos tirar um pouco mais o pé do acelerador na primeira semana, para compensar aquele aumento excepcional que fizemos. Mas voltamos o mais rápido possível ao que tínhamos planeado para não haver uma mudança muito radical de toda a nossa estratégia de treino.

Mas é evidente que esta situação apenas se aplica quando estamos a preparar-nos para alguma prova importante. Caso as férias ou outra situações surjam após as principais competições, podemos e devemos usar esse tempo para treinar menos e desfrutar mais do tempo com a família e com as pessoas de quem mais gostamos. ?

Conclusão

Neste artigo, vimos a importância de registar o volume de treino semanal para se poder controlar melhor o volume de treino ao longo do ano.

Percebemos que não existe um número concreto de horas a seguir, pois cada pessoa tem a sua própria rotina, e só fazendo um registo e medindo o volume semanal, é que podemos começar a perceber como gerir.

Vimos que existem 2 princípios muito importantes na gestão do volume, que são:

  • Mais qualidade das horas de treino é melhor do que mais quantidade
  • Volume de treino = prata / Volume de competição = ouro

Depois de percebermos isto, fica claro que muita da gestão do volume de treino está na boa escolha do calendário de competições. Como diz um dos meus mentores: “a guerra ganha-se antes de entrar no campo de batalha”. Encaixa-se perfeitamente nesta situação. O trabalho de casa bem feito permite-nos ganhar imenso tempo.

Outro dos truques que ensinei neste artigo, é que além de analisarmos o volume de treino que fizemos, podemos (e devemos) antecipar o volume de treino que vamos fazer, calculando diretamente esse volume através do plano de treinos para as semanas seguintes.

É como se fizéssemos um orçamento e soubéssemos que não podemos gastar mais do que aquele dinheiro. Isso ajuda-nos a controlar melhor o volume de treino semanal. Por isso é importante incluir essa medição na altura de fazer o nosso plano de treinos.

Depois vimos como administrar o nosso volume de treino ao longo da temporada, tendo em conta o período da temporada em que estamos. Essa gestão deve ser feita com pés e cabeça, e tendo em conta os princípios que abordamos anteriormente.

Finalizamos, lembrando que sempre que houverem brechas na nossa agenda, podemos usá-las para acelerar o processo de treino, ou para treinar menos e passar mais tempo com a família, dependendo claro de em que altura da época essas brechas possam aparecer.

Fonte: https://segredosdociclismo.com/ – Tiago Torres

DICAS PARA CICLISTAS AVANÇADOS: PERÍODO PREPARATÓRIO

Dicas para ciclistas avançados: Volume realizado Vs Volume planejado